Notícias

Empreendedor, nem todo problema é financeiro!
Publicada em 16/02/2016 por da redação Crossover


Como já comentamos em outros artigos, empreender não é uma tarefa simples. Ela requer uma grande dedicação do empreendedor na condução de suas atividades diárias.

Ele entra de corpo e alma na operação comercial e produtiva, mas esquece, ou melhor, acaba não tendo tempo para a atividade de “administrar” o empreendimento. É muito comum ouvir que a empresa está com problemas financeiros, contudo, quando nos aprofundamos na análise da atividade verificamos que o problema é operacional e não financeiro.

O “problema” financeiro é na realidade consequência de uma atividade operacional equivocada. Ele é o efeito e não a causa. Em minhas palestras sempre digo que a forma mais rápida de quebrar uma empresa é o crescimento sem os fundamentos para isto.

Logicamente uma empresa “quebra” por falta de caixa e não por falta de lucro. Caixa é fato, ou você tem dinheiro para pagar as contas, ou não tem! Lucro é simplesmente uma medida. 

Segundo o SEBRAE, 60% das micros e pequenas empresas não completam o seu quinto ano de vida, em sua grade maioria devido a falta de capital de giro.

Não cuidar da gestão da empresa é o maior erro que pode ser cometido pelo empreendedor.  Muitos acham que ter uma gestão estruturada, com controles internos, processos disciplinados e com medidores de desempenho é perda de tempo, é muito burocrático.  Ledo engano, estão com certeza, abreviando o tempo de vida de seu empreendimento.

Para o sucesso do empreendimento é muito importante que o empreendedor tenha uma visão clara da posição financeira da empresa, enxergando os resultados oriundos das operações de compra e venda, de seus passivos, da necessidade de capital de giro, e principalmente de seu fluxo financeiro.

Olhar somente para o faturamento, conhecer os custos somente na teoria, confundir saldo do banco com lucro, não contar com um modelo para formação de preço, ou a falta de relatórios de desempenho são erros recorrentes e encontrados na grande maioria de casos de insucessos ou de empresas com dificuldades.

De forma simples, o empreendedor deve ter uma visão completa e estratégica da operação. Para isto ele deve contar com um sistema básico de controle financeiro, o qual deve ser estruturado dentro da complexidade da operação, e o mais simples possível.

No mínimo, minha sugestão é que o empreendedor conte com as seguintes ferramentas para a gestão e controle:

  1. Demonstração de resultado: Este é um relatório contábil que como o nome diz, demonstra o resultado originado das receitas de vendas, deduzidas dos impostos, custos de produção ou comercialização, deduzidos das despesas operacionais para administração. Ele demonstra se a empresa teve lucro ou prejuízo, em certo período de tempo.
  2. Posição do contas a pagar: Todas as obrigações devem ser listadas neste relatório, seja de fornecedor, prestadores de serviços, financeiros, impostos, valores provisionados de pagamentos recorrentes mensalmente, como aluguel, salários, energia etc. De preferência, demonstrando por período de desembolso. 
  3. Posição do contas a receber: É um relatório que demonstra todos os valores a receber por cliente, e por data de entrada no caixa.
  4. Fluxo de caixa real e previsto: Este é um dos mais importantes relatórios, mas é importante que seja elaborado com informações confiáveis. Ele demonstra a situação e a capacidade de caixa em um período pré-determinado. Ele é constituído de dados reais, isto é, contas a receber e contas a pagar já conhecidos e também com previsões, principalmente dos custos e despesas mensalmente recorrentes. Minha sugestão é que tenha uma visão de 30 dia diários e mais 60 dias, com visão mensal.  Com isto o empreendedor terá uma visão de 90 dias do seu movimento de caixa, de forma que exista tempo de reação para as ações requeridas para o equilíbrio do fluxo financeiro.

Se tiver alguma dificuldade, chame um profissional especialista para lhe ajudar neste processo, e posso garantir que este gasto não é uma despesa, e sim um investimento, o qual poderá lhe poupar muita dor de cabeça.