Editoriais

As principais preocupações dos CEOs, segundo pesquisa da PWC.
Publicada em 04/04/2013


Segunda a pesquisa realizada pela PWC, os CEOs de hoje estão preocupados com uma ampla gama de ameaças com potencial para afetar as perspectivas de crescimento da operação. Isto inclui eventos como: catástrofes, ameaças econômicas, políticas, e ameaças comerciais. Nesta pesquisa foi solicitado aos CEOs que refletissem sobre a capacidade da sua organização em lidar com uma série de cenários de ruptura e em sua maioria, a resposta foi que a organização seria impactada negativamente, sendo que uma ruptura social é o principal motivo de preocupação, o que faz sentido quando levamos em consideração a situação da economia na zona do euro, a insatisfação social nos países árabes, e a crise econômica americana. Naturalmente, uma grande perturbação social não é a única causa de preocupação dos CEOs, que estão nervosos também, com as ameaças políticas e fiscais, e encabeçando a lista a volatilidade econômica é a maior vilã, como nos últimos dois anos. 71% dos CEOs também estão preocupados com a forma como os governos estão lidando com o endividamento e com os déficits crescentes, com excesso de regulamentação e no plano comercial, os impostos mais altos, a escassez de competências-chave, e custos de energia e matérias-primas dominam as preocupações dos CEO. Mas nem tudo é desgraça e tristeza. Alguns CEOs estão encontrando oportunidades neste cenário de rupturas. Quase 50% dos CEOs no Oriente Médio acreditam que o colapso da zona euro pode trazer novas oportunidades de negócios. Da mesma forma, 16% dos CEOs no Oriente Médio e 13% dos CEOs da Europa Central e Oriental acha que a desaceleração do crescimento da China pode abrir novas portas. Agora uma coisa é clara para a grande maioria: o cenário de risco está mudando radicalmente, as ameaças está chegando mais forte e mais rápido, vindo de todas as direções, e em formas das mais variadas. Os CEOs reconhecem que as abordagens tradicionais de gestão de risco não são mais suficientes, e que a única solução para o sucesso é a construção de organizações que são ágeis e adaptáveis: organizações que não se limita somente a sobreviver, mas prosperar em meio à desordem e emergir mais forte do que antes. É o que tenho comentado em algumas vezes que estamos vivenciando um processo de mudança radical em todos os mercados, e na forma de fazer negócios, mas continuamos fazendo a gestão como nos finais do século 19. São corporações com estrutura e gestão da era industrial atuando no mercado da era do conhecimento, com certeza não vai dar certo. É hora de acordar! Fonte: PWC Global CEO Survey 2013